Rota dos Sobreiros

  • A caminhada tem início no Largo do Santo, segue pelo moinho de vento da Portela, e passa por locais que fazem parte do passado recente dos habitantes da freguesia como a fonte do Corisco, o curral de rebanho a céu aberto, os moinhos de água em ruinas, o forno de secagem de figos e a patada da burrinha.
    Durante o percurso destacam-se as paisagens sobre a mata de sobreiros, as quedas de água e a vista panorâmica sobre a aldeia de Lousa e sobre Torre de Moncorvo. Em terras classificadas como Património Mundial da Unesco de salientar a vista sobre o Rio Douro.

     

    Características

    Localização: Lousa, Torre de Moncorvo
    Extensão: 11,5 Km
    Duração média a pé: 03h30m
    Dificuldade: Média
    Âmbito: Desportivo, Cultural e Ambiental
    Época Aconselhada: Primavera e Outono
    Coordenadas Geográfica
    41º10’13.35”N
    7º10’34.48” O

    Ramal:
    Extensão: 2,6Km
    Duração Média a pé: 01h10
    Dificuldade: Média difícil

     

    RECOMENDAÇÕES AO CAMINHANTE

    • Informe-se sobre as condições meteorológicas locais.
    • A preparação física deve ser adequada ao percurso que vai fazer.
    • O equipamento, a levar, deve tomar em consideração as condições meteoroló- gicas e a duração da caminhada.
    • Não parta excessivamente vestido.
    • A hora de partida deve ser tomada em conta para que o percurso seja per- corrido durante o dia.
    • Ande lenta e progressivamente sem se cansar.
    • Caso seja apanhado por alguma dificuldade, meteorológica ou outra, deve manter a calma e se necessário abortar a caminhada. Durante um temporal, abandone os cumes das montanhas e os pontos expostos, não se abrigue debaixo de árvores e liberte-se de objectos metálicos.
    • Recorra às novas tecnologias e faça por manter sempre o contacto com alguém que esteja em zona povoada.
    • Seja sincero consigo mesmo e não se sobrevalorize. Evite riscos inúteis.
    • Mantenha-se sempre concentrado.
    • Coma pouco e muitas vezes e beba de modo a nunca sentir fome ou sede.
    • Quando a caminhada é feita em grupo, não permita que este se disperse demasiado. O contacto visual entre os elementos do grupo é fundamental.
    • Atenção, durante a época de caça, alguns percursos podem ser perigosos.
  • Moinho de Vento da Portela

    Propriedade privada o moinho de vento da Portela foi construído no início do século XX, estando em funcionamento até aos anos 40 desse século, quando surgiram as fábricas de moagem dentro da povoação.

    Fonte do Corisco

    Fonte usada pela povoação para abastecimento de água às famílias. A fonte ficou conhecida pelas encontros discretos entre rapazes e raparigas quando estas iam à fonte buscar água para consumo.

    Sucalcos característicos do Douro

    Socalcos antigos onde em tempos passados se plantavam as vinhas na freguesia.

    Moinhos de água

    Ruínas dos antigos moinhos onde a população antigamente ia moer o pão.

    Fraga da Pala/ Amarela

    Diz o povo que no interior desta fraga se encontra uma gruta com capacidade para albergar aproximadamente 100 a 150 ovelhas.

    Capela de Nossa Senhora do Amparo/ Parada

    Situada a meio caminho na descida da povoação para o rio, a capela marca a transição do granito para o xisto dos socalcos durienses. Pensa-se que a Capela de Nossa Senhora do Amparo seja o primitivo templo religioso do primeiro povoado da Lousa. É também local de procissões de penitência nos anos secos, pedindo que viesse a chuva para se desenvolverem os produtos da terra.

    Patada da Burrinha

    Marca redonda esculpida no granito que se encontra no lado direito da Capela da Sr.ª do Amparo, na Parada. A lenda oral transmitida localmente é de que terá passado por ali a Nossa Senhora, montada numa burrinha. Esta, dando um coice mais enérgico, deixou a marca da sua pata numa pedra da parede.

    Capela do Divino Espirito Santo

    De construção simples mas sóbria, a Capela representa uma tradição religiosa local: festejando-se o Espírito Santo no segundo domingo depois da Páscoa.

    Igreja Matriz de Lousa

    De construção granítica simples, portal arredondado, encimado por um campanário, com dois sinos. Remodelada no início dos anos 60. É na sacristia que se encontram as peças com mais valor como a imagem do Bispo de S. Félix de Valois (século XV) e de S. João da Mata (século XVI) pertencentes à Igreja do Convento da Lousa.

    Capela de Santo António

    Situada no meio da povoação guarda à sua volta um património etnográfico muito importante. Destaca-se o alpendre exterior e a sineta que dava sinal para se reunirem os proprietários no largo do Santo António. No seu interior encontra-se uma imagem de Santo António e de Nossa Senhora dos Remédios, esta última proveniente da Igreja do Convento da Santíssima Trindade, que em tempos existiu na aldeia.
    • Moinho de Vento da Portela

      Propriedade privada o moinho de vento da Portela foi construído no início do século XX, estando em funcionamento até aos anos 40 desse século, quando surgiram as fábricas de moagem dentro da povoação.
    • Fonte do Corisco

      Fonte usada pela povoação para abastecimento de água às famílias. A fonte ficou conhecida pelas encontros discretos entre rapazes e raparigas quando estas iam à fonte buscar água para consumo.
    • Sucalcos característicos do Douro

      Socalcos antigos onde em tempos passados se plantavam as vinhas na freguesia.
    • Moinhos de água

      Ruínas dos antigos moinhos onde a população antigamente ia moer o pão.
    • Fraga da Pala/ Amarela

      Diz o povo que no interior desta fraga se encontra uma gruta com capacidade para albergar aproximadamente 100 a 150 ovelhas.
    • Capela de Nossa Senhora do Amparo/ Parada

      Situada a meio caminho na descida da povoação para o rio, a capela marca a transição do granito para o xisto dos socalcos durienses. Pensa-se que a Capela de Nossa Senhora do Amparo seja o primitivo templo religioso do primeiro povoado da Lousa. É também local de procissões de penitência nos anos secos, pedindo que viesse a chuva para se desenvolverem os produtos da terra.
    • Patada da Burrinha

      Marca redonda esculpida no granito que se encontra no lado direito da Capela da Sr.ª do Amparo, na Parada. A lenda oral transmitida localmente é de que terá passado por ali a Nossa Senhora, montada numa burrinha. Esta, dando um coice mais enérgico, deixou a marca da sua pata numa pedra da parede.
    • Capela do Divino Espirito Santo

      De construção simples mas sóbria, a Capela representa uma tradição religiosa local: festejando-se o Espírito Santo no segundo domingo depois da Páscoa.
    • Igreja Matriz de Lousa

      De construção granítica simples, portal arredondado, encimado por um campanário, com dois sinos. Remodelada no início dos anos 60. É na sacristia que se encontram as peças com mais valor como a imagem do Bispo de S. Félix de Valois (século XV) e de S. João da Mata (século XVI) pertencentes à Igreja do Convento da Lousa.
    • Capela de Santo António

      Situada no meio da povoação guarda à sua volta um património etnográfico muito importante. Destaca-se o alpendre exterior e a sineta que dava sinal para se reunirem os proprietários no largo do Santo António. No seu interior encontra-se uma imagem de Santo António e de Nossa Senhora dos Remédios, esta última proveniente da Igreja do Convento da Santíssima Trindade, que em tempos existiu na aldeia.

    • altimetria