Rota dos Cerieiros

  • O fabrico da cera em Felgueiras remonta, pelo menos ao início do séc. XIX. Até meados do século seguinte conheceu grande expansão, sendo o maior centro produtor e distribuidor da região.

    A rota dos cerieiros desenrola-se pelos caminhos usados antigamente nas lides comunitárias do povo de Felgueiras quer na produção de mel, na confeção de velas e círios ou nas eiras comunitárias onde a população ia malhar os cereais.

    Destaque para os vários pontos de interesse durante o percurso nomeadamente aqueles que estão ligados à história dos cerieiros, como o Largar da Cera.

     

    Características

    Localização: Felgueiras, Torre de Moncorvo
    Extensão: 9 Km
    Duração média a pé: 02h30
    Dificuldade: Média
    Âmbito: Desportivo, Cultural e Ambiental
    Época Aconselhada: Todo o ano

    Coordenadas Geográficas:
    41° 9'15.84"N
    7° 0'45.68"W

    RECOMENDAÇÕES AO CAMINHANTE

    • Informe-se sobre as condições meteorológicas locais.
    • A preparação física deve ser adequada ao percurso que vai fazer.
    • O equipamento, a levar, deve tomar em consideração as condições meteoroló- gicas e a duração da caminhada.
    • Não parta excessivamente vestido.
    • A hora de partida deve ser tomada em conta para que o percurso seja per- corrido durante o dia.
    • Ande lenta e progressivamente sem se cansar.
    • Caso seja apanhado por alguma dificuldade, meteorológica ou outra, deve manter a calma e se necessário abortar a caminhada. Durante um temporal, abandone os cumes das montanhas e os pontos expostos, não se abrigue debaixo de árvores e liberte-se de objectos metálicos.
    • Recorra às novas tecnologias e faça por manter sempre o contacto com alguém que esteja em zona povoada.
    • Seja sincero consigo mesmo e não se sobrevalorize. Evite riscos inúteis.
    • Mantenha-se sempre concentrado.
    • Coma pouco e muitas vezes e beba de modo a nunca sentir fome ou sede.
    • Quando a caminhada é feita em grupo, não permita que este se disperse demasiado. O contacto visual entre os elementos do grupo é fundamental.
    • Atenção, durante a época de caça, alguns percursos podem ser perigosos.
  • Igreja Matriz

    De construção recente esta igreja é dedicada ao padroeiro da aldeia, S. João Baptista. É constituída por torre sineira e no seu interior é composta por 4 altares e o altar-mor.

    Fonte

    situada no leito da ribeira de Santa Marinha a fonte era o local onde antigamente a população ia buscar água para consumo.

    Lagar Comunitário da Cera

    O Museu da Cera promove o conhecimento e a divulgação do património industrial e das várias gerações de cerieiros que fizeram parte da comunidade local e nacional. Está instalado num edifício de traça simples, em xisto, junto à ribeira de Santa Marinha. Em 2013, o Lagar, foi alvo de recuperação tendo em vista a sua musealização, vindo a ser inaugurado em 27 de Novembro de 2013.

    Tanque da Couraceira

    Utilizado num passado recente para a população da aldeia ir lavar a roupa.

    Casa do Embaixador Armando Martins Janeira

    Casa pertencente à família de Armando Martins Janeira, nascido em Felgueiras em 1914. Além de escritor, sociólogo e ensaísta distinguiu-se no Japão como diplomata

    Eira do Meio

    É uma das três eiras comunitárias existentes nesta zona, que serviam para a população malhar os cereais.

    ver mais

    Palheiros

    Edifícios típicos que quase todas as famílias possuíam, junto às eiras, para guardarem os cereais

    Ribeira de Santa Marinha

    Ribeira que nasce nas encostas da Serra do Roboredo e desagua no rio Douro. Atravessa a aldeia e segue esta rota em grande parte do percurso, sendo utilizada durante muitos anos para fazer funcionar os vários moinhos de água aí existentes.

    Ruínas dos Moinhos de Água

    No seguimento da ribeira da Santa Marinha podem-se ver as ruínas, de mais de uma dezena de moinhos que aí existiram. Em tempos passados, havia muitas famílias que viviam nestes moinhos.

    Silhas ou Muros Apiários

    Local resguardado por muros de pedra, de planta circular ou ovalada, onde antigamente colocavam as colmeias para as proteger dos animais e das intempéries.

    Ribeiro do Vale da Lousa

    Ribeiro que possui uma pequena cascata digna de admiração nos meses de inverno.

    Capela de Nossa Senhora dos Prazeres

    Esta capela era usada para devoção pelas famílias que moravam nos moinhos, ao longo da ribeira de Santa Marinha. Foram elas que iniciaram a tradição da festa da Pascoela, que todos os anos se realiza nesta capela, uma semana depois da Páscoa.
    • Igreja Matriz

      De construção recente esta igreja é dedicada ao padroeiro da aldeia, S. João Baptista. É constituída por torre sineira e no seu interior é composta por 4 altares e o altar-mor.
    • Fonte

      situada no leito da ribeira de Santa Marinha a fonte era o local onde antigamente a população ia buscar água para consumo.
    • Lagar Comunitário da Cera

      O Museu da Cera promove o conhecimento e a divulgação do património industrial e das várias gerações de cerieiros que fizeram parte da comunidade local e nacional. Está instalado num edifício de traça simples, em xisto, junto à ribeira de Santa Marinha. Em 2013, o Lagar, foi alvo de recuperação tendo em vista a sua musealização, vindo a ser inaugurado em 27 de Novembro de 2013.
    • Tanque da Couraceira

      Utilizado num passado recente para a população da aldeia ir lavar a roupa.
    • Casa do Embaixador Armando Martins Janeira

      Casa pertencente à família de Armando Martins Janeira, nascido em Felgueiras em 1914. Além de escritor, sociólogo e ensaísta distinguiu-se no Japão como diplomata
    • Eira do Meio

      É uma das três eiras comunitárias existentes nesta zona, que serviam para a população malhar os cereais.

      ver mais

    • Palheiros

      Edifícios típicos que quase todas as famílias possuíam, junto às eiras, para guardarem os cereais
    • Ribeira de Santa Marinha

      Ribeira que nasce nas encostas da Serra do Roboredo e desagua no rio Douro. Atravessa a aldeia e segue esta rota em grande parte do percurso, sendo utilizada durante muitos anos para fazer funcionar os vários moinhos de água aí existentes.
    • Ruínas dos Moinhos de Água

      No seguimento da ribeira da Santa Marinha podem-se ver as ruínas, de mais de uma dezena de moinhos que aí existiram. Em tempos passados, havia muitas famílias que viviam nestes moinhos.
    • Silhas ou Muros Apiários

      Local resguardado por muros de pedra, de planta circular ou ovalada, onde antigamente colocavam as colmeias para as proteger dos animais e das intempéries.
    • Ribeiro do Vale da Lousa

      Ribeiro que possui uma pequena cascata digna de admiração nos meses de inverno.
    • Capela de Nossa Senhora dos Prazeres

      Esta capela era usada para devoção pelas famílias que moravam nos moinhos, ao longo da ribeira de Santa Marinha. Foram elas que iniciaram a tradição da festa da Pascoela, que todos os anos se realiza nesta capela, uma semana depois da Páscoa.

    • altimetria