Rota do Corço

  • A rota tem início na Capela da S. João Baptista e de Nossa Senhora de Fátima e segue para a Serra do Roboredo, local onde se desenrola todo o percurso.

    No decorrer da caminhada vislumbram-se paisagens sobre a vila de Torre de Moncorvo, o Rio Douro, os concelhos limítrofes e o país vizinho. Os visitantes podem admirar a diversidade de flora e fauna existentes, destacando-se o corço, que dá o nome a esta rota.

    Ao longo do percurso, que se efetua por caminhos e estradas florestais da Mata do Roboredo, podem ser observadas importantes concentrações de ferro e vários vestígios da extração mineira ao longo dos tempos na região.

    Características

    Localização: Torre de Moncorvo
    Extensão: 12,5 Km
    Duração média a pé – 3h55
    Dificuldade – Média Alta
    Âmbito – Desportivo, Cultural e Ambiental
    Época Aconselhada – Primavera e Outono

     

    RECOMENDAÇÕES AO CAMINHANTE

    • Informe-se sobre as condições meteorológicas locais.
    • A preparação física deve ser adequada ao percurso que vai fazer.
    • O equipamento, a levar, deve tomar em consideração as condições meteoroló- gicas e a duração da caminhada.
    • Não parta excessivamente vestido.
    • A hora de partida deve ser tomada em conta para que o percurso seja per- corrido durante o dia.
    • Ande lenta e progressivamente sem se cansar.
    • Caso seja apanhado por alguma dificuldade, meteorológica ou outra, deve manter a calma e se necessário abortar a caminhada. Durante um temporal, abandone os cumes das montanhas e os pontos expostos, não se abrigue debaixo de árvores e liberte-se de objectos metálicos.
    • Recorra às novas tecnologias e faça por manter sempre o contacto com alguém que esteja em zona povoada.
    • Seja sincero consigo mesmo e não se sobrevalorize. Evite riscos inúteis.
    • Mantenha-se sempre concentrado.
    • Coma pouco e muitas vezes e beba de modo a nunca sentir fome ou sede.
    • Quando a caminhada é feita em grupo, não permita que este se disperse demasiado. O contacto visual entre os elementos do grupo é fundamental.
    • Atenção, durante a época de caça, alguns percursos podem ser perigosos.
  • Capela de S. João Baptista e Nª Sra. de Fátima

    Capela construída ao estilo neoclássico setecentista, com portal austero em pedra granítica e frontão triangular interrompido e rematado por uma cruz.

    Casa do Guarda

    Edifício de interesse histórico que foi criado com a finalidade de dar guarida às pessoas que exerciam funções de guardas da Serra do Roboredo. A casa foi construída na década de 40, do século XX, e pertence ao estilo “português suave”.

    Vegetação

    Digna de admiração são as várias espécies florestais e agrícolas existentes no decorrer do percurso, destaque para os sobreiros, arbustos, amendoal e olival.

    Pedreira de hematite

    Da atividade mineira da Serra do Roboredo, quer nas minas ou a céu aberto nas pedreiras, sobravam “morouços”, que são amontoados de pedras pobres rejeitadas pelos mineiros.

    Observatório panorâmico

    Permite que os visitantes tenham uma visão mais ampla de toda a área e o local indicado para a observação de aves.

    Corço

    Espécie protegida que pertence à família dos cervídeos ou cervos e que prospera em habitats tranquilos e com abundância de rebentos, folhas de árvores, frutos silvestres e cogumelos. Devido ao seu comportamento esquivo e tímido é muito difícil a sua observação.

    Mina da Cotovia

    Situada nas fragas da cotovia faz parte das 33 minas registadas e concedidas em manifestos datados entre 1872 e 1875. Normalmente as minas da Serra do Roboredo eram escavações pouco profundas, geralmente para sondagem, devido à falta de capital e de meios tecnológicos.

    Capela de S. Lourenço

    Capela do século XVII de arquitetura exterior bastante simples e primitiva. A capela era um marco no antigo caminho que ligava Torre de Moncorvo a Felgueiras, Maçores e Urros.
    • Capela de S. João Baptista e Nª Sra. de Fátima

      Capela construída ao estilo neoclássico setecentista, com portal austero em pedra granítica e frontão triangular interrompido e rematado por uma cruz.
    • Casa do Guarda

      Edifício de interesse histórico que foi criado com a finalidade de dar guarida às pessoas que exerciam funções de guardas da Serra do Roboredo. A casa foi construída na década de 40, do século XX, e pertence ao estilo “português suave”.
    • Vegetação

      Digna de admiração são as várias espécies florestais e agrícolas existentes no decorrer do percurso, destaque para os sobreiros, arbustos, amendoal e olival.
    • Pedreira de hematite

      Da atividade mineira da Serra do Roboredo, quer nas minas ou a céu aberto nas pedreiras, sobravam “morouços”, que são amontoados de pedras pobres rejeitadas pelos mineiros.
    • Observatório panorâmico

      Permite que os visitantes tenham uma visão mais ampla de toda a área e o local indicado para a observação de aves.
    • Corço

      Espécie protegida que pertence à família dos cervídeos ou cervos e que prospera em habitats tranquilos e com abundância de rebentos, folhas de árvores, frutos silvestres e cogumelos. Devido ao seu comportamento esquivo e tímido é muito difícil a sua observação.
    • Mina da Cotovia

      Situada nas fragas da cotovia faz parte das 33 minas registadas e concedidas em manifestos datados entre 1872 e 1875. Normalmente as minas da Serra do Roboredo eram escavações pouco profundas, geralmente para sondagem, devido à falta de capital e de meios tecnológicos.
    • Capela de S. Lourenço

      Capela do século XVII de arquitetura exterior bastante simples e primitiva. A capela era um marco no antigo caminho que ligava Torre de Moncorvo a Felgueiras, Maçores e Urros.

    • altimetria