História

Na sua construção foram utilizados materiais locais (possivelmente pedras das próprias torres do Castelo demolidas em 1836).  Não há indicação de data de início de laboração, mas uma prensa de gaiola e  parafuso que remonta o séc. XVIII.

Com coleta nas finanças, o Lagar laborou utilizando uvas provenientes de várias quintas dos proprietários no termo de Torre de Moncorvo.  Sendo a produção destinado a comercialização de Vinho de Mesa e Vinho Generoso.

A Construção da Adega Cooperativa de Torre de Moncorvo foi um dos objetivos deste proprietário, dando razão à sua visão, o lagar deixa de laborar em 1965, trabalhando exclusivamente para o vinho generoso, e vinho destinado a celebração eucarística.

Mais tarde a Adega é alugada para armazém, enquanto o Lagar foi definitivamente encerrado.  Na década de 80, mantendo os traços originais a Adega é transformada e explorada, como restaurante.

Com a expansão do Turismo em Espaço Rural na Quinta das Avelleiras, em 1999 os Lagares transforma-se num Núcleo Museológico, e mais tarde em Museu do Vinho com o seu espólio já devidamente documentado.