• Amêndoa Coberta

    Amêndoa Coberta

    Ignora-se quando começou esta atividade artesanal, pelas terras de Moncorvo. Porém, já em 1886 na Exposição Universal de Paris e, 10 anos depois, na Feira Internacional de Filadélfia, a Câmara Municipal de Torre de Moncorvo fazia grande figura com este produto, justamente celebrado pela crítica da especialidade.

    As Amêndoas Cobertas de Moncorvo obtêm-se levando o açúcar a um ponto especial e lançando-o, lentamente, em uma bacia de cobre, polida, sobre as amêndoas que estão a torrar. Por debaixo a bacia de cobre está ligeiramente aquecida, a um lume brando e constante. Constante e prolongado é também o trabalho da mulher que vai mexendo os grãos, com os dedos enfiados em dedais, para que as amêndoas ganhem os característicos biquinhos.

    As amêndoas ficam então cobertas por uma camada homogénea de açúcar.Fabricam-se três tipos de amêndoa coberta:

    • A Tradicional, de cor branca, amêndoa coberta só com açúcar, cujo fabrico demora cerca de um mês;
    • A Peladinha, quase só o grão, coberto por uma ligeira camada de açúcar, demorando 7 dias para ser confecionada;
    • A Morena em que ao açúcar se junta um pouco de canela ou, em vez de açúcar, se utiliza chocolate.

Gastronomia

O roteiro gastronómico de Torre de Moncorvo é muito diversificado. Se a doçaria é figura de destaque, de que a amêndoa coberta é rainha, não devemos menosprezar os vários pratos tradicionais. Como pratos mais representativos temos as favas guisadas com chouriço, caldeirada de cabrito, cozido à transmontana, posta grelhada, caldeirada de feijão-frade. Como variedades de caça temos a perdiz, coelho, lebre e javali.

Na Foz do sabor pode saborear os famosos peixes do rio assados, fritos e ainda as migas de peixe temperadas com erva peixeira.

Os enchidos que se produzem ainda hoje de forma tradicional são: as alheiras, o salpicão, o chouriço, o chouriço de mel, morcelas, tabafeias…